Volfrâmio

18ª Criação

História feita de sangue muito, quando a Segunda Grande Guerra era o palco de todas as atenções e o volfrâmio se tornou febre, ser-se mineiro, dizia-se naquele tempo, era como cavar a própria sepultura. As mulheres enviuvavam cedo. Mas a mina, era tudo. Era o sustento, o trabalho, o encontro, a aprendizagem, a união entre os demais, uma forma mais digna de se estar vivo. Entre o jugo nazi e a prospecção inglesa, os trabalhadores eram obrigados a pagar as próprias ferramentas e a zelar, como pudessem, pela sua segurança. O dinheiro foi-se quase todo dessas bandas da Panasqueira. Mas ficou a certeza de que aqueles que menos possuem e tudo deram são justamente os que ainda conseguem cantar a vida e amar o próximo.

Dramaturgia e Encenação: Nuno Pino Custódio
Espaço Cénico e Figurinos: Ana Brum
Desenho de Luz: Pedro Fino
Fotografia: António Supico
Montagem: Pedro Fino, João Caria e Alberto Diogo
Serralharia: Manuel Leandro
Design de Comunicação: We Are One
Direcção de Produção: Alexandre Barata
Assistência de Produção: Joana Poejo e Sara Gabriel

Interpretação: Fabíola Lebre, Ricardo Brito, Tiago Poiares e Yolanda Santos