As Cebolas de Napoleão

15ª Criação

Quatro fuzileiros trazem consigo a grande história, desde que Napoleão irrompe da Revolução Francesa, se coroa a si próprio imperador e decreta o Bloqueio Continental. Quatro fuzileiros trazem consigo a história já não tão grande, desde que Jean-Andoche Junot entra pela zona raiana e chega a Lisboa para “ficar a ver navios” com a partida inesperada de João VI para o Brasil. Quatro fuzileiros trazem consigo a história mais pequena, quando o general Loison, sem um braço, tornou comum a expressão “ir para o maneta”, ao saquear, chacinar e incendiar o país de norte a sul. Quatro fuzileiros trazem consigo, na memória do corpo, com os gestos, as palavras, os sons, a mais que pequena história, quando o general de brigada Charlot, mandado auxiliar a cada vez mais instável e insegura capital do reino, depara-se no caminho com a vila de Alpedrinha, ali na Serra da Gardunha, e das seis para as sete horas do dia cinco de Julho de 1808 deixa a impiedosa marca da destruição e da morte.

Como camadas de uma cebola, da Europa vista de cima, até que se perceba o branco dos olhos de cada um. Esta é a nova criação da ESTE – Estação Teatral, bem ao seu jeito, recentrando a representação no corpo do actor, recorrendo à pantomima para criar toda uma narrativa de imagens, procurando que a percepção do aqui-agora torne essencial na vida a arte da presença.

Dramaturgia e encenação: Nuno Pino Custódio
Espaço Cénico, Figurinos e Adereços: Ana Brum
Assistência à Dramaturgia: Ana Brum e Ricardo Brito
Desenho de Luz e Operação Técnica: Pedro Fino
Sonoplastia: Albrecht Loops
Selecção Musical: Nuno Pino Custódio (Tema Original “Pôr a vida ao sol” de Bruno Fonseca)
Desenho do Cartaz: Ana Brum e Luis Brum
Design Gráfico: WAO
Fotografia: António Supico
Costureira: Nela Atelier
Construção de Adereços: Helena Matos, Luis Brum, Filipe Eusébio e Sara Gabriel
Montagem: Pedro Fino, Alberto Diogo e João Caria
Produção Executiva: Joana Poejo
Direcção de Produção: José Alexandre Barata
Direcção Artistica: Nuno Pino Custódio

Interpretação: Patrick Murys, Ricardo Brito, Rui Sousa e Tiago Poiares

AGRADECIMENTOS: Escola Secundária do Fundão, Prof. Estevão Lopes. Prof. António Pereira (pela cedência do auditório para os ensaios), Junta de Freguesia do Fundão (pela cedência dos espaços publicitários), José António Marrucho e José dos Santos Silva (pelas horas extras na Escola Secundária do Fundão), Eduardo Serra, João Salvado, D. Gracinha Correia, João Maneta e José dos Santos Monteiro (em Alpedrinha), Drª Antonieta Garcia, Diamantino Gonçalves e Jean-Marie Teller (pela informação histórica prestada), Carlos Branco, Pedro Rufino e Duarte Silva (pelo apoio musical)

15ª Criação, estreada a 3 de Dezembro de 2010 no Fundão – Auditório d’A Moagem Cidade do Engenho e das Artes