ÚLTIMAS

Teatro de Bolso

21-04-2017 10:34:09   In Últimas  

Abraçando a linguagem integral dos contadores de histórias, a Estação Teatral propõe um projecto composto por sete objectos distintos para espaços não convencionais e dirigido a todos os públicos. Os vários objectos artísticos estão divididos em dois pacotes que se complementam, mas que também podem ser apresentados de forma isolada sem perderem a sua pertinência. O primeiro é composto por alguns dos grandes clássicos da literatura ocidental: "Antígona" de Sófocles, "Tartufo" de Molière, " Vida e morte de Bamba" de Lope de Vega e "O Inspector geral" de Nikolai Gógol. O segundo, apesar de nascer de um desdobramento do grupo anterior, compreende um espaço mais dedicado à Beira Interior. "A história de Zé Manteigas" e "A Rua dos Alves" são duas criações originais que derivam, respectivamente de "Tartufo" e d' "O Inspector geral" e às quais se junta "Tomada do Carvalhal, a verdadeira história". Todos os objectos têm a duração aproximada de 10 minutos e encerram em si as ferramentas da prática dos contadores de histórias (oralidade, textualidade, espacialidade e corpo). Dois actores e um tapete. Tiago Poiares e Roberto Querido, dão vida a propostas onde a literatura e o teatro se cruzam de forma plena. Textualidade e espacialidade comprimem-se num espaço mínimo, para projectar acções e personagens que, cabendo na imaginação de quem recepciona, irromperão de imediato a dimensão física e concreta do local da representação. Com uma já considerável experiência profissional e artística, trabalhando com um público escolar ou com o público em geral (também formadores nas Classes de Teatro da companhia, onde transmitem uma metodologia de interpretação e uma "ideia de teatro" que torna decisivamente interdependentes "quem faz" e "quem recepciona"), estes dois actores encontram no espaço não convencional a oportunidade ideal para transpor a essencialidade e contemporaneidade de obras universais ou, num exercício contrário, democratizar objectos mais identificados com uma época já remota, tornando-os acessíveis para a dimensão do "aqui-agora". 

Direcção Artistica: Nuno Pino Custódio / Direcção Técnica: Pedro Fino / Produção: Alexandre Barata / Interpretação: Tiago Poiares e Roberto Querido

De 26 de Abril a 2 de Maio

Soalheira, Vale de Prazeres, Orca, Quintas da Torre, Janeiro de Cima, Bogas de Cima, Telhado  e Alcaria

Odoo - Sample 1 for three columns

Odoo - Sample 2 for three columns

Odoo - Sample 3 for three columns

Classes de Teatro 2016 / 17

13-09-2016 21:06:24   In Últimas  

A Estação Teatral tem desenvolvido ao longo dos anos um contacto com público muito heterogéneo na perspectiva de consolidar um relacionamento que passa pela transmissão de princípios metodologicos da sua linguagem. As Classes de Teatro são uma das actividades que a companhia define como fundamentais no contacto com a comunidade a partir da sua vertente de formação onde precisamente se pretende transmitir, cimentar e projectar a metodologia da ESTE – Estação Teatral.

INSCRIÇÕES:  http://esteteatro.com/event/classes-de-teatro-2016-17-2016-10-09-2017-06-29-4/register

INFORMAÇÕES: 963859452 / 963859394 / esteteatro@gmail.com

Classes de Teatro da EsTe, " O Rei Bamba"

07-08-2016 15:12:49   In TeatroAgosto 2016  

19.08 (6ªfª) / 21h30

MOAGEM

Classes de Teatro da ESTAÇÃO TEATRAL

O Rei Bamba

m/6 anos - dur: 30m

A Estação Teatral tem desenvolvido ao longo dos anos um contacto com público muito heterogéneo na perspectiva de consolidar um relacionamento que passa pela transmissão 

de princípios metodologicos da sua linguagem. As Classes de Teatro são uma das actividades que a companhia define como fundamentais no contacto com a comunidade a partir da 

sua vertente de formação onde precisamente se pretende transmitir, cimentar e projectar a metodologia da ESTE – Estação Teatral.

No ano lectivo 2015/16 as Classes de Teatro prosseguiram este principal eixo, mantendo a sinergia com o projecto pedagógico "Uma história para continuar..." e, desta feita, 

com a própria criação da programação principal, através de uma abordagem dramatúrgica comum: o Rei Bamba.

A memória do rei visigodo, Bamba (c. 643-687/688 DC), chega-nos não só pelas suas campanhas vitoriosas, mas principalmente pela perfusão de lendas, mitos e factos que, 

ao longo dos anos se foram mesclando. Bamba perdurou pela sua vontade de justiça, igualdade, bondade e pelas sucessivas traições de que foi alvo.

Direcção Artística: Nuno Pino Custódio

Coordenação pedagógica: Roberto Querido e Tiago Poiares

Desenho de Luz: Pedro Fino

Produção: Alexandre Barata

Com: Alberto Pereira, Camila Crocker, Carolina Santos, Elsa Bernardo, Eva Dionisio, Fábio Jerónimo,

Francisco Barata, Inês Bento, Joana Martins, João Albino, Leonor Moreira, Mariana Antunes, Maria Inês Opinião,

 Maria João Pacheco, Margarida Mouzelo, Matilde Santos, Neli Pereira, Paula Henriques, Rute Dionisio, Tânia Costa

Zé Mágico, "O Quê?"

07-08-2016 15:11:43   In TeatroAgosto 2016  

19.08 (6ªfª) / 22h30 / Praça Velha

Zé Mágico

“O Quê?”

p/todos – dur. 40m

IV Ciclo de Teatro e Animação na Rua / SangriAgosto

O mundo da fantasia, da criatividade, da magia é muitas vezes associado única e exclusivamente às crianças. A maioria dos adultos, recusa-se a fazer parte deste enredo por estarem demasiado 

bloqueados e até mesmo condicionados a determinadas condutas. Assim, criando um mundo mágico e de boa disposição nasce o espetáculo "O Quê !!". Este, mistura a arte da ilusão com a cénica  teatral, 

criando não só magia, mas uma atmosfera mágica, acabando por alcançar todos espectadores, despoletando a imaginação dos mais pequenos e dos mais velhos, mostrando-lhes como é possível sonhar.

Autoria e Interpretação: José Pereira

Nariz de Cogumelo

07-08-2016 15:08:37   In TeatroAgosto 2016  

19.08(sáb.) / 22h00 / Silvares

21.08 (dom.) / 18h00 / Alcaide

NARIZ DE COGUMELO

É das palhaças que eles gostam mais

M/6 anos – dur.35m

IV Ciclo de Teatro e Animação na Rua

Pioneiro no cenário da palhaçaria em Salvador pelo seu elenco inteiramente feminino,“É das Palhaças...” apresenta com a irreverência característica do grupo e a subtil sensualidade 

das palhaças mulheres, números clássicos de circo e cenas próprias do Nariz de Cogumelo. Uma comédia ao mesmo tempo leve e debochada, que faz sucesso com crianças, jovens e adultos.

Criação: Nariz de Cogumelo e Alexandre Luis Casali

Direção: Alexandre Luis Casali

Palhaças: Laili Flórez, Larissa Uerba, Luiza Bocca, Viviane Abreu

Músicos: Diogo Flórez e Pedro Vieira

20.08(sáb.) / 21h00 / Praça Velha

NARIZ DE COGUMELO

A maré do amor sem fim

M/6 anos-dur.45m

IV Ciclo de Teatro e Animação na Rua / SangriAgosto

Eram três as irmãs: Madalena, Carminha e Teresa. Madalena tem medo de sair de casa. Carminha é apaixonada por José, que ama Teresa, que espera por António que nunca volta. 

Entre flores, amores e risos, "A maré do amor sem fim" une comédia, drama e romance em um sensível e tocante espetáculo.

Texto original: Cláudia Barral

Adaptação e Direção: Nariz de Cogumelo

Palhaças: Laili Flórez, Larissa Uerba e Viviane Abreu

Músico: Pedro Vieira

EstátuasAgosto

07-08-2016 15:05:17   In TeatroAgosto 2016  

20.08 (sáb.) / 22H00 / Zona Antiga

EstátuasAgosto

 IV Ciclo de Teatro e Animação na Rua / SangriaAgosto

EstatuasAgosto é uma exposição de quatro estátuas vivas, a convite do TeatroAgosto, Festival Internacional de Teatro ao Ar Livre, 

com coordenação de António Santos, pioneiro da arte da quietude e apresentadas por:

Antonio Santos (estátua viva de Fernando Pessoa),

Susana Bento (estátua viva A Família),

Marta Faria (estátua viva Radio Saudade)

Guilherme Ferreira (estátua viva Playback)

Teatro Só_Residência Artística, "Sorriso"

07-08-2016 15:02:16   In TeatroAgosto 2016  

20.08 (sáb.) / 22H00 / Praça do Municipio

Teatro Só – Residência Artística

Sorriso

M/6 anos-dur.30m

IV Ciclo de Teatro e Animação na Rua / SangriAgosto

Como se escreverá uma história de amor, de um amor que perdura no tempo, preenche uma vida até ao seu crepúsculo e que nunca acabará para aquele que ainda guarda o passado?

A solidão é um tema recorrente nas peças do “teatro só”, porém as personagens não são tocadas pelo desespero, mas pela reflexão dos gestos e pela gratidão da memória. 

Não há melhor palavra para definir este trabalho do que a palavra “recordação”, cuja origem francesa “re-coeur” significa simplesmente re-coração, ou seja, fazer passar pelo coração uma vez mais.

Encenação e dramaturgia: Sérgio Fernandes

Interpretação: Catia Santos e Sérgio Fernandes
Compositor (musica): Ferdinand Breil
Guarda roupa e adereços: Ana Baleia
Cenário: Luis Santos e Eddie Doner

Cão à Chuva, "Lullaby"

07-08-2016 15:01:04   In TeatroAgosto 2016  

21.08 (Dom.) / 22h00 / Praça do Municipio

Cão à Chuva

Lullaby

p/todos - Dur: 45m

IV Ciclo de Teatro e Animação na Rua / SangriAgosto

Uma revelação no universo do clown em Portugal. Lullaby é um espetáculo dinâmico, com a participação direta do público, numa performance cómica e provocadora 

que abre espaço ao jogo de improviso entre um palhaço transgressor e o espectador. Nesta aventura, partimos todos em busca do riso, da cumplicidade e da emoção, 

embarcando num ambiente poético, alimentado pela música ao vivo, rumo a um novo mundo de brincar.

Criação e Interpretação: Rui Paixão

Música e Sonoplastia: Carlos Reis

II Mostra de Curtas, "Os filmes da UBI"

07-08-2016 14:55:39   In TeatroAgosto 2016  

23.08 (3ªfª)  / 21h30

24.08 (4ªf) / 21h30

MOAGEM

Mostra de Curtas

Os filmes da UBI

Entrada Livre

É com enorme prazer que os cursos de cinema da Universidade da Beira Interior renovam esta colaboração com a EsTe - Estação Teatral na organização da Mostra de Curtas "Os filmes da UBI" 

no Festival TeatroAgosto, que se pretende que venha a ter uma periodicidade regular. A Mostra dará a conhecer uma diversidade de filmes, de entre o que de melhor se produz na UBI, 

pautada pela sua pertinência temática, social e estética. Não só se pretende ir de encontro ao gosto do público mas também dar uma pequena contribuição na formação dos gostos num ambiente acolhedor e de festa. 

“Ensaio experimental” (2015) de Roberto Santos

“Capítulo 1” (2015) de Mariana Lopes

“O que é feito dos dias na cave” (2015) de Rafael Almeida

“Ao redor” (2014) de Hélder Faria

“Trama” (2014) de Luísa Soares

Trio Dogmático

07-08-2016 14:54:16   In TeatroAgosto 2016  

23.08 (3ªf) / 22h30

Moagem

Trio Dogmático

Musica

Entrada Livre

O "Trio Dogmático" é um projeto musical com origens fundanenses. Este trio, que tem como principal objetivo a valorização da música portuguesa, tem influências de estilos como o Rock, Blues e Jazz. 

Com reportório constituído por covers e alguns originais pretendem consolidar o trabalho de qualidade feito pelos músicos em Portugal e ainda mostrar novas criações.

Um espetáculo intimista e interativo com o público que promete bom humor e excelente ambiente.


João Figueira- Guitarra, Voz

Lucas Rodrigues- Saxofone

Sebastião Pereira- Guitarra

Maracangalha

07-08-2016 14:51:04   In TeatroAgosto 2016  

24.08 (4ªf) / 22h00

Moagem

Maracangalha

Musica

Entrada Livre

Este grupo nasceu pelo nosso fascínio e amor pelo universo da música brasileira. Tocamos juntos há muito tempo, em vários contextos, tipicamente mais jazzísticos e sempre 

falámos em montar repertório variado dos mais incríveis compositores que o Brasil tem para nos oferecer: Tom Jobim, Chico Buarque, João Bosco, Edu Lobo, Milton Nascimento, Carlos Lyra, 

Vinicius de Moraes, entre outros. O processo foi à antiga. Arranjos feitos na hora, nos ensaios, pelo grupo, com muita tentativa e erro. É ver para crer, está a soar! Venham! Eu vou, eu vou!

Inês Sousa - voz

Bruno Santos – guitarra

Romeu Tristão – contrabaixo

André Sousa Machado – bateria

Estação Teatral, "BambaVambaWamba"

07-08-2016 14:50:00   In TeatroAgosto 2016  

21.08 (Dom.) / 21h45 / Castelo Branco (Monte do Indio)

25.08 (5ªfª) / 22h00 / Moagem

ESTE – Estação Teatral

BambaVambaWamba

M/ 12_Dur: 75m

Três actores e um palco vazio. A evocação do mesmo rei, perpassando uma paisagem cultural ibérica pelo mito revisitado de Bamba (Vamba ou Wamba). Mito fundacional, revelador da circunstância humana, 

ontem como hoje. Um período muito concreto da história política peninsular, onde o teatro, enquanto arte do espectáculo, só pode contribuir para a sua universalidade.

É este o desafio da ESTAÇÃO TEATRAL, quando se busca sempre o compromisso de que uma nova encenação se estabeleça, antes de mais, como um dispositivo que só pode funcionar 

em conexão directa com o público, no reconhecimento de que o teatro se desdobra num verbo que, na verdade, são dois: ver-fazer. São doze anos de actividade explorando uma linguagem integral 

que possibilite afirmar esta arte do espectáculo como uma manifestação viva, ante a complexidade e os desafios de um Século XXI que redefine, por exemplo, algo tão híbrido quanto o estatuto do agente e do espectador.


Dramaturgia e encenação: Nuno Pino Custódio

em co-criação com Pedro da Silva Roberto Querido e Tiago Poiares

Apoio dramatúrgico: Pedro Miguel Salvado

Espaço e Figurinos: Estação Teatral

Dispositivo cénico: Pedro Novo

Desenho de luz e montagem: Pedro Fino

Produção: Alexandre Barata

Cartaz e design de comunicação: Hugo Landeiro Domingues

Fotografia: Miguel Proença


Actores: Pedro da Silva, Tiago Poiares e Roberto Querido

Malier Teatro, "Armazém 33"

07-08-2016 14:48:56   In TeatroAgosto 2016  

26.08(6ªfª) / 22h00

MOAGEM

Malier Teatro

Armazém 33

M/12 - dur: 60m

O Armazém 33 é um espaço que permite o jogo entre a realidade e o sonho.

A vida de três fiéis de armazém é posta a descoberto, vista pelo microscópio, através da pantomima e da técnica da máscara. Os seus medos e anseios, as suas 

alegrias e conquistas revelam-se quando um acontecimento inesperado rompa a rotina das suas vidas. Os caminhos de cada um deles cruzam-se e as memórias daquilo que foi, 

do que poderia ter sido e a possibilidade do que poderá vir a ser enriquecem este universo fantástico, sedento de futuro.

Criação colectiva: Carlos Pereira, Joana Chandelier, Mara Guerreiro, Sérgio Maciel

Interpretação: Carlos Pereira, Mara Guerreiro, Sérgio Maciel

Espaço cénico e figurinos: Malier Teatro

Desenho de luz: José Pedreira

Fotografia de cena e colaboração musical: Fernando Dinis

CASEAR, "Gente muito perto"

07-08-2016 14:47:23   In TeatroAgosto 2016  

27.08 (Sáb.) / 22h00

MOAGEM

CASEAR

Gente muito perto

M/ 12 anos - dur: 75m

Publicámos um anúncio nos Classificados de vários jornais nacionais, à procura de histórias de casais e ouvimos quem nos quis contar o que aconteceu quando decidiram 

ficar muito perto de alguém. Convidámos casais para dar opiniões e partilhar experiências, participando no processo criativo. Trocámos fotografias de (des)amor. Procurámos, convidámos e trocámos. 

Quisemos o encontro para descobrir o que se lhe segue. Esta é mais uma criação da Casear, em que o processo assenta numa documentação longa e em que a mesma é, mais do que em qualquer 

outro trabalho anterior, parte integrante do espectáculo. Num jogo de (des)mascarmento literal, o casal de actores procura descobrir como se desenrola uma vida a dois, vendo essa vida multiplicada 

pelas histórias que nos contaram, pelas possibilidades infinitas de uma conversa, um toque, uma pergunta, uma discussão, um olhar, um objecto. 

Como se, entre dois, vivessem tantos outros e outras. Contas feitas, um + um é = a mais do que dois.

Encenação Sofia Cabrita

Interpretação Ana Sofia Paiva e Nuno Nunes

Concepção Plástica Sara Franqueira

Desenho de Luz Paulo Santos

Máscaras Matteo Destro

Produção Daniela Sampaio, Susana António

Apoio à produção Background

Design Gráfico Illusive

Marcha dos Andadores

07-08-2016 14:46:22   In TeatroAgosto 2016  

Teatro Só, "Somente"

07-08-2016 14:24:06   In TeatroAgosto 2016  

28.08 (dom.) / 18h00

Praça Velha

Teatro Só

Somente

M/6 anos – dur.30m

Um espectáculo poético sobre a solidão na velhice.

Por falta de tempo, em nome do progresso e da evolução rápida da sociedade, os idosos estão a ser esquecidos pela mesma, até por vezes abandonados por amigos 

e familiares. Acabaram-se os seus sucessos, as suas conquistas, da sua entrega no trabalho ao longo de anos e ficam simplesmente SÓS. Vagueiam pela cidade 

à espera de uma mudança, que algo aconteça ou simplesmente que o tempo passe. Só. Num banco de jardim. No vazio de um dia... „SÓMENTE“...

Uma peça de teatro na qual o carinho, a emoção e a poesia das imagens estão em primeiro plano (sem texto falado). 

Espectáculo de grandes dimensões (cenário e personagem - Andas) com um forte impacto visual em espaço público.

Encenação e dramaturgia: Sérgio Fernandes
Compositor (musica): Ferdinand Breil
Máscara: Bernardo Rey / Sérgio Fernandes 
Guarda roupa: Tuya Hermann
Adereços : Olga Dumova
Cenário (banco): Eddie Dorner
Fotos: Stefanie Hanna
Actor: Sérgio Fernandes
Tecnica: Spiros

Leo Bassi, "The Best of Bassi"

07-08-2016 14:16:20   In TeatroAgosto 2016  

28.08 (dom.) / 22h00

Moagem

Leo Bassi

The Best of Bassi

M/12 anos

Militante sem vergonha de um exército de risos constantes, Leo Bassi faz da provocação uma arma de sobrevivência política. Assim se confronta com desafios pessoais, 

quase sem limites, para atravessar qualquer barreira, por muito impossível ou desagradável que possa ser. Falar de Leo Bassi é falar de surpresa, mesmo de algum medo; pois nunca se sabe 

o que se pode encontrar nos seus espectáculos, sempre em transformação, sempre ao serviço do espectador, e talvez seja essa a chave do seu sucesso.

B.O.B (The Best Of Bassi), é uma compilação dos momentos que Leo Bassi mais gosta em todas as suas criações. Ao mudar de espectáculo a cada dois anos, ele próprio se confronta 

com a tristeza de ver permanecer para sempre, no esquecimento, algumas das cenas pelas quais nutre mais carinho. Agora, nesta compilação, voltam a ter uma força e uma 

actualidade filosófica que as coloca à altura dos grandes clássicos do humor “bufonesco”.  Durante noventa minutos o grande bufão, o herdeiro de uma estirpe de palhaços que fez 

do riso uma arma pacífica para a mudança, reencontra-se num trabalho pessoal e íntimo com suas próprias criações e fantasmas.

Ficam avisadas as grandes instituições, religiões, os políticos e todas as hierarquias que Leo Bassi voltou a desenterrar, de novo, as suas pinturas de guerra.

Texto, Encenação e interpretação: Leo Bassi

Master Class "Em busca da Identidade Cómica"

03-08-2016 22:40:12   In TeatroAgosto 2016  

Leo Bassi desenvolve nesta masterclass um sistema que combina a teoria com jogos psicológicos originais, incentivando os participantes a descobrirem mais sobre si mesmos. 

Um dos aspectos mais importantes destas sessões é que todos os participantes são continuamente encorajados a desempenhar, alternadamente, um papel activo e, ao mesmo tempo, 

de observador e crítico. Esta perspectiva estimula a realização de discussões francas e abertas em cada etapa levando os participantes a perceberem como as suas acções são entendidas pelos outros 

e também o significado delas para si próprios. À medida que o processo vai avançando a ênfase desloca-se a partir de uma ampla exploração da mente para um estudo mais centrado na comédia, 

nos problemas puramente teatrais e também de como ser eficaz diante do público. Os participantes podem esperar, após a conclusão desta masterclass, resultados tangíveis, que variam entre um olhar inspirado sobre as raízes 

psicológicas do humor e do seu funcionamento,  até à criação de aspectos cómicos preparados para utilizar em teatro ou televisão.

BambaVambaWamba

06-07-2016 16:17:54   In Últimas  

“Três actores e um palco vazio. A evocação do mesmo rei, perpassando uma paisagem cultural ibérica pelo mito revisitado de Bamba (Vamba ou Wamba - c. 643-687/688 DC). Mito fundacional, revelador da circunstância humana, ontem como hoje. Um período muito concreto da história política peninsular, onde o teatro, enquanto arte do espectáculo, só pode contribuir para a sua universalidade. É este o desafio da Estação Teatral, quando se busca sempre o compromisso de que uma nova encenação se estabeleça, antes de mais, como um dispositivo que só pode funcionar em conexão directa com o público, no reconhecimento de que o teatro se desdobra num verbo que, na verdade, são dois: ver-fazer. São doze anos de actividade explorando uma linguagem integral que possibilite afirmar esta arte do espectáculo como uma manifestação viva, ante a complexidade e os desafios de um Século XXI que redefine, por exemplo, algo tão híbrido quanto o estatuto do agente e do espectador." (Nuno Pino Custódio)

Dramaturgia e encenação: Nuno Pino Custódio
em co-criação com Pedro da Silva, Roberto Querido e Tiago Poiares
Apoio dramatúrgico: Pedro Miguel Salvado
Espaço e Figurinos: Estação Teatral
Dispositivo cénico: Pedro Novo
Desenho de luz e montagem: Pedro Fino
Produção: Alexandre Barata
Cartaz e design de comunicação: Hugo Landeiro Domingues
Fotografia: Miguel Proença
Actores: Pedro da Silva, Roberto Querido e Tiago Poiares

BambaVambaWamba

06-07-2016 15:57:28   In Criações  

Quem foi Bamba (c. 643-687/688 DC)? Qualquer aproximação que o busque representar não pode ignorar esta maturação milenar e transcendental, essa que o fez transformar-se possivelmente noutra "coisa" pelo seu devir.

Três actores e um palco vazio. A evocação do mesmo rei, perpassando uma paisagem cultural ibérica pelo mito revisitado de Bamba (Vamba ou Wamba). Mito fundacional, revelador da circunstância humana, ontem como hoje. Um período muito concreto da história política peninsular, onde o teatro, enquanto arte do espectáculo, só pode contribuir para a sua universalidade.

É este o desafio da ESTAÇÃO TEATRAL, quando se busca sempre o compromisso de que uma nova encenação se estabeleça, antes de mais, como um dispositivo que só pode funcionar em conexão directa com o público, no reconhecimento de que o teatro se desdobra num verbo que, na verdade, são dois: ver-fazer. São doze anos de actividade explorando uma linguagem integral que possibilite afirmar esta arte do espectáculo como uma manifestação viva, ante a complexidade e os desafios de um Século XXI que redefine, por exemplo, algo tão híbrido quanto o estatuto do agente e do espectador.

Odoo text and image block

Dramaturgia e encenação: Nuno Pino Custódio

em co-criação com Pedro da Silva, Roberto Querido e Tiago Poiares

Apoio dramatúrgico: Pedro Miguel Salvado

Espaço e Figurinos: Estação Teatral

Dispositivo cénico: Pedro Novo

Desenho de luz e montagem: Pedro Fino

Produção: Alexandre Barata

Cartaz e design de comunicação: Hugo Landeiro Domingues

Fotografia: Miguel Proença

Actores: Pedro da Silva, Roberto Querido e Tiago Poiares